Notícias e Variedades de Macaé
Início » Vida » Revista » Painel do Ilhote Sul

Painel do Ilhote Sul

qui, 07/08/2014 - 09:56 -- Fernanda Pinheiro
Categoria: 
Créditos: 
Gianini Coelho
painel do ilhote sul com caricaturas de músicos da música popular brasileira

Inevitável não sorrir. Basta passar os olhos por uma Fafá de Belém voluptuosa, por assim dizer, servindo de bandeja seios... e pizza. Nossa incansável curiosidade continua em busca de mais informação, e encontra um Raul Seixas sedento por sua sopa, brigando com a famosa mosca que lhe persegue em canto e prosa. Ao piano, nada mais nada menos que Tom Jobim, copo de uísque ao piano, acompanhando aquele Cazuza imortalizado em nossas memórias e corações. O tímido Edu Lobo, meio acanhado e debruçado em seu inseparável violão, nos leva a crer que, se continuarmos procurando, iremos achar algum novo imortal para divertir e emocionar.

Cheio de sutilezas, o irreverente painel do restaurante Ilhote Sul, na Praia dos Cavaleiros, é um prato cheio para os amantes da música popular brasileira e não cansa a curiosidade musical de quem está do lado de cá. Entre uma ou outra olhadela, sempre encontramos uma nova celebridade, marcada por pinceladas de cultura e história da MPB, como, por exemplo, a Elis Regina e seu vestido cheio de pimentinhas, fazendo uma alusão ao apelido da cantora.

painel do ilhote sul sendo reformado por valber benevidesCriado no atelier do artista plástico Valber Benevides no ano de 1996, ele levou 30 dias para ficar pronto. A tela, pintada com tinta acrílica, medindo 4m x 2,5m, foi instalada e batizada no local pelo próprio chargista.

Casado com Herbene e pai de Raiza e Lucas, Valber nasceu em Itapipoca e costuma dizer que se diverte há quase 40 anos, profissionalmente. “A mamãe me disse que quando eu estava pra nascer, primeiramente coloquei minha mão de fora à procura de um lápis e papel. Na verdade, toda criança gosta de desenhar, porém poucas continuam desenhando e com o tempo, muitas largam a brincadeira. Com 8 anos, já fazia história em quadrinho para vender e comprar um picolé. O desenho era a minha moeda de troca. Já desenhava com caco de telha, carvão e vaga-lumes nas calçadas, muros e chão. O mais interessante era o desenho feito com este inseto, nas noites em que faltava energia. Eu pegava os bichinhos e os colocava em vidros para usar como lanterna. Quando estes morriam, tirava-os dos recipientes e, com a massa luminosa deles, desenhava na calçada. Com a escuridão o desenho ficava fluorescente”, relembra.

A ideia de criação da tela do Ilhote Sul surgiu de um outro painel, chamado Luiz Assumpção, também de autoria de Valber. Este primeiro foi feito em 1986 e ficava localizado na Praia de Iracema, em Fortaleza. O painel ilustrava a parede de entrada do bar e fazia homenagem aos grandes compositores do Ceará, além de alguns de outros estados do Brasil. “Pensamos em fazer uma grande pintura que tivesse a cara de Macaé. E para não fugir do cartão postal da cidade, coloquei ao fundo o mar e suas ilhas do Arquipélago de Sant’Ana. Num ambiente de praia, ao luar, os personagens celebravam a música e a poesia. O gosto pela charge foi aumentando no dia a dia. Descobri a importância e o poder que tem a charge como elemento de síntese e crítica de algum fato político no universo local ou global. E foi com uma charge que ganhei o primeiro prêmio na 1ª Bienal Internacional de Humor e Quadrinho no Rio de Janeiro, em 1991. Hoje, não trabalho mais, pois só faço desenhar e pintar (risos)”, diverte-se Valber.

renato martins dono do restaurante ilhote sul de macaéEmpresário e dono do Ilhote, Renato Lucas Martins conheceu o trabalho de Valber Benevides quando morou em Fortaleza. “Fiquei apaixonado pela tela Luiz Assumpção. Daí, entrei em contato com ele e ele topou criar alguma coisa do gênero no restaurante que eu estava abrindo em Macaé. A ideia foi concretizada e, desde então, a obra virou cartão postal da Praia dos Cavaleiros. Na tela, caricaturas de artistas famosos da MPB interagem de forma especial. Diogo Nogueira, Zeca Pagodinho, Dominguinhos, Beth Carvalho e muitos outros. Devido à grande repercussão do trabalho nos quatro cantos de Macaé, a tela passou a ser também um outdoor de marcas famosas, que são renovadas de tempos em tempos”, continua Renato.

Quem agradece são os clientes do restaurante, que, entre um chopinho e outro, podem vislumbrar tamanha arte. É como o carioca Maurício Brennand, 59 anos, gosta de terminar uma tarde, por exemplo. “Mudei-me para Macaé em 1984. Acompanho e freqüento o Ilhote Sul desde os seus primórdios, ainda na Imbetiba. Esse painel veio firmar de vez a posição inovadora e de vanguarda que a casa se propunha a ter. Graças a essa arte, o restaurante e a cidade tornaram-se objeto de interesse turístico, pois as pessoas querem tirar fotos com o painel ao fundo. A caricatura dos personagens é perfeita, não só em seus traços, mas também em suas atitudes e comportamento. É difícil destacar um personagem, pois todos são fantásticos mas, de alguma forma, creio que o Noel Rosa, com seu cigarrinho no canto da boca, é um dos que mais gosto. Todos que conceberam esse painel estão de parabéns”, comenta Maurício.

Outro admirador da obra é o mineiro Hélio Pessoa, que trabalha no setor offshore e mora em Macaé desde 1979. “Na primeira vez que vi o painel, o Valber Benevides estava dando os retoques finais na arte. O que mais me chamou a atenção foi a caracterização de cada artista com uma de suas obras. Podemos encontrar o Lulu Santos surfando como em sua música ‘Como uma onda no mar’, Fagner e um aquário com peixes fazendo borbulhas de amor, o Adorinan Barbosa com a Tábua de tiro ao Álvaro, Gil e Caetano de rosto colado fazendo uma analogia aos Doces Bárbaros... enfim, a história da MPB é muito bem lembrada neste painel!”

Renato lembra que foi bem difícil determinar quais imortais entrariam naquele espaço de tela. “Na primeira versão foram retratados Noel Rosa, Pixinguinha, Cartola, Tom Jobim... Por termos um espaço limitado, usamos alguns critérios de escolha. Desde o ano de 96, a obra passa por restaurações, que acontecem de 4 em 4 anos. Aproveitamos e mexemos na pintura, retirando algum artista e colocando outro. Assim, implantamos certo movimento à obra”, explica o empresário, que relembra algumas curiosidades à respeito do dia da inauguração. Ainda no ano de 96, os carros que passavam pela rua da praia, viam aquele enorme painel sendo fixado à parede do restaurante. Até aí, tudo bem, se um ou outro não se esquecesse de frear.

“Tivemos alguns acidentes leves de trânsito aqui em frente, pois as pessoas desviavam o olhar e batiam no carro da frente... Mas nada de muito sério! (risos). Hoje, recebemos famílias inteiras que param para tirar foto em frente ao painel. Nosso objetivo foi alcançado, de criarmos um ícone cultural aqui em Macaé”, continua.

E, para quem quer analisar mais a fundo o painel, existe ainda uma técnica correta que permite observar a obra em toda a sua amplitude cultural. A tela deve ser lida da esquerda para a direita, onde alguns personagens se mostram em dimensão maior. São os da Velha Guarda. É o caso de Noel Rosa, Pixinguinha, Vinícius de Moraes e Tom Jobim, por exemplo. Depois, em tamanho um pouco menor, podemos apreciar Gal Costa, Zeca Pagodinho, Cazuza, Paralamas do Sucesso. Nessa progressão, aparecem nomes de artistas mais recentes, como Lenine e Diogo Nogueira.

Na última restauração, que aconteceu em 2013, Renato e Valber aproveitaram e incluíram novas personagens à tela. Fizeram uma homenagem a Diogo Nogueira, Dorival Caymi, Lenine, Dominguinhos e Erasmo Carlos. Para quem pensa que a escolha de quem entra ou sai é razoavelmente fácil de fazer, está redondamente enganado. “Lembro-me que Moraes Moreira chegou aqui no restaurante e, quando viu o painel, correu para procurar pela sua pintura lá. Quando não encontrou ficou bravo, chateado. Foi constrangedor, mas tento explicar aos artistas que nosso espaço é pequeno, nenhuma das personalidades aparece por acaso, existe sempre um conceito, uma expressão por trás da pintura”, explica o empresário.

 

detalhe do painel do ilhote sul

Conheça algumas curiosidades do painel

 

Renato homenageou o garçom “Ceará”, que trabalhou muitos anos no Ilhote, retratando-o no painel servindo os convidados com notas musicais.

 

 

detalhe do painel do ilhote sul

 
 

Adoniran Barbosa interage com Elis Regina segurando um alvo que recebe flechas disparadas por ela. Referência ao sucesso “Tiro ao Álvaro”.

 

 

 

detalhe do painel do ilhote sulO compositor macaense Benedito Lacerda ganhou um lugar de destaque no painel como uma forma de valorizar a produção cultural da cidade.
 

 

Comentar

Seu comentário será liberado pelo administrador. Informe-se sobre as regras de moderação de comentários no Termo de uso.
CAPTCHA
Resolva a soma abaixo por questões de segurança
12 + 4 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.

Marca da Agência Logomotiva - Presença Digital - Agência desenvolvedora e mantenedora