Notícias e Variedades de Macaé
Início » Notícias » Drones, tecnologia aérea a serviço da criatividade

Drones, tecnologia aérea a serviço da criatividade

qui, 19/04/2018 - 13:58 -- Fernanda Pinheiro
Categoria: 
Créditos: 
Foto: Cayo Garcia - Star Drone
revéillon 2018 macaé

O zumbido, semelhante a uma abelha, só que com ‘ares eletrônicos’, é inconfundível: são os drones, uma moda que começou lá nos idos de 2010 e que agora popularizou de vez. Se você está escutando o termo pela primeira vez, um drone é um veículo aéreo, que pode ou não ter tripulação. Nesta reportagem, o foco são os drones que não possuem tripulação, são comandados por controle remoto e, muitas vezes, equipados com câmeras de alta qualidade. Por um tempo, eram como brinquedo, uma evolução dos aeromodelos. Hoje, há um grande e crescente mercado profissional para os pilotos.

Foto: arquivo

cayo garcia com droneA história dos drones lembra muito o surgimento da Internet. Assim que foram criados, ambos possuíam funções militares. Com o tempo, tornaram-se acessíveis e ganharam mais adeptos. Não apenas tornaram-se populares e passaram a fazer parte do dia a dia da população do mundo todo, como também causaram uma revolução. Os VANTs (veículos aéreos não tripulados), ou simplesmente os drones foram inventados pelo engenheiro espacial israelita Abe Karem e sua inspiração foi a bomba ‘buzzbomb’, desenvolvida na Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

 

Começaram sendo usados para reconhecimento de terrenos, permitindo uma visão aérea. Já serviram como apoio, e meio, de ataques e espionagem, até para enviar mensagens. Surgiram por volta dos anos 60, mas foi durante os anos 80 que começaram a chamar atenção. A grande vantagem em seu uso era a possibilidade de efetuar ações, muitas vezes perigosas, sem necessariamente colocar uma vida em risco.

Foto: Cacá Rangel

praia das pedrinhas, em macaé, vista aérea

Com essas informações, já deu para perceber como os drones são diversificados, não é mesmo? Além do já mencionado uso militar, eles fazem monitoramento e vigilância, inclusive de furacões, imagens aéreas ou submersas, resgate e auxílio a pessoas necessitadas. A empresa norte americana Amazon utiliza, desde o ano passado, drones para fazer entrega expressa. E o Facebook anunciou o seu projeto de levar internet às residências usando drones.

 

Em terras tupiniquins, os drones são mais do que adorados. De toda a América Latina, o Brasil é o país que mais pesquisa por eles. Os três primeiros colocados no mundo, em número de pesquisas na internet pelo termo “drones” é, em ordem decrescente: França, Noruega e Holanda, junto dos EUA.

 

Foto: arquivo

cacá com drone

Em maio de 2017, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou um regulamento para o uso de drones. Entre as regras estão: a de que para pilotar qualquer tipo de drone, a pessoa precisa obrigatoriamente ter mais de 18 anos; e que pilotos de drones com mais de 25 quilos devem possuir habilitação.

Aqui em Macaé e região, existem empresas que também descobriram nos drones uma oportunidade de negócio. É o caso da Star Drone, do empresário Cayo Garcia, que no Réveillon deste ano, revelou pela primeira vez, em foto e vídeo, detalhes da aglomeração e comemoração das pessoas na queima de fogos na Praia dos Cavaleiros.

 

“A ideia inicial era trabalhar com fotografia e filmagem em segmentos tradicionais do mercado. Mas, à medida que íamos iniciando, tivemos uma procura por diversos processos que instigaram nossa criatividade. Produzimos vídeos institucionais, trabalhos de mapeamento para imobiliárias, fotos de terrenos e mapeamento de áreas, turismo, eventos e videoclipes. Estivemos envolvidos em um projeto para uma empresa offshore que desponta entre as cinco maiores do mundo. Ele foi apresentado para o gerente da América Latina e visa otimizar um processo atual, aumentando a precisão e reduzindo tempo e custo. Foram realizadas algumas adequações ao drone. Um processo que costuma durar duas semanas passou a durar um dia. Com os drones, a criatividade, tanto nossa como a de nossos clientes, pode intervir e ser a peça-chave para a resolução do problema em questão”, explica Cayo.

 

“Sempre admirei os drones. Onde via algum voando, parava e queria informações sobre o equipamento, até que numa viagem à Califórnia tive a oportunidade de adquirir um. Era em princípio um de brinquedo, o que só aumentou minha empolgação! Depois comprei um Fanton 3, me senti ‘com asas’, indo cada vez mais distante e agora com a possibilidade de fazer boas fotos e filmagens”, explica Carlos Alberto Rangel Peixoto.

Foto: arquivo

fotográfo vaváCarlos, ou Cacá, como é conhecido em Macaé, já passou por várias aventuras com seus drones. Segundo ele, o hobby permite visualizar as coisas por outro ângulo, fornece uma adrenalina incrível a ser compartilhada por amigos e família, inclusive nas redes sociais.

 

“Hoje tenho um Mavic Pro, que me dá autonomia de ir desde a minha casa na Praia do Pecado até a Praia das Pedrinhas, ou além, mantendo sempre o bom senso e os critérios de segurança da sua homologação. A adrenalina em voos como um que fiz na Reserva Natural do Pecado, no qual perdi o sinal do rádio controle e achei que tivesse perdido meu drone, mas o vi retornando por conta própria ao ponto de origem é realmente inesquecível”, complementa.

 

A evolução tecnológica permite que, hoje, quem deseja ser um piloto, controle o seu drone diretamente do celular ou tablet. Alguns modelos, inclusive, podem ser controlados por meio do acelerômetro do smartphone. O que torna a experiência mais imersiva.

Para Everaldo Esterque, ou Vavá, como gosta de ser chamado, o mundo dos drones vai ao encontro da preservação da região onde nasceu, a serra macaense. “No início de 2017, iniciei uma gama de filmagens do rio São Pedro, desde a nascente até onde se encontra com o rio Macaé. Ele é o segundo maior rio de Macaé, nasce na divisa com Frade e Sana, percorrendo toda a serra onde nasci e fui criado. Por conta do desmatamento e lixo, o rio está morrendo. Minha intenção é usar as imagens para conseguir apoio para a preservação da área. Sem o uso do meu drone isso não seria possível”, finaliza Vavá.
 

Comentar

Seu comentário será liberado pelo administrador. Informe-se sobre as regras de moderação de comentários no Termo de uso.
CAPTCHA
Resolva a soma abaixo por questões de segurança
16 + 2 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.