Notícias e Variedades de Macaé
Início » Vida » Entrevista » Sandra Wyatt

Sandra Wyatt

sex, 15/05/2020 - 11:35 -- Alysson Nogueira
Categoria: 
Créditos: 
Arquivo Pessoal Sandra Wyatt
Sandra

“Estou no céu e daqui não saio”! Foi através dessa frase que a fonoaudióloga, terapeuta, educadora, artista plástica e poeta, Sandra Oliva Wyatt, que recentemente completou 70 anos de idade, nos recebeu em seu espaço de trabalho, que fica na Praia Campista, em Macaé. Um local aconchegante, que reúne um pouco da vida e obra dessa personagem que é considerada um dos ícones marcantes no cenário cultural de Macaé e região há mais de quatro décadas. Um pouco da sua essência já se revelava na primeira juventude, em Sodrelandia, pequeno distrito de Trajano de Morais, região serrana do Rio de Janeiro. O local é conhecido pelas inúmeras cachoeiras a grande diversidade de plantas e animais.

Sandra WyattDesde adolescente sempre fui muito ligada às questões do planeta, da natureza. Tive oportunidade de viajar por vários lugares do mundo, conhecer pessoas que tinham o mesmo pensamento que eu. Conclui que poderia contribuir com a natureza me tornando uma ativista da causa”, completou.

Também foi desde pequena sua relação íntima com a literatura. Aos 10 anos de idade, Sandra descobriu que sua maior paixão estava na poesia. Em sua trajetória são mais de 800 poemas publicados. Foi através deles que a poetisa passou a expressar suas ideias em defesa da natureza.

Atualmente participo de audiências públicas e debates de forma bem lúdica. Não me coloco contra ninguém, apenas expresso minha opinião em defesa à natureza. É declamando meus poemas que expondo a minha arte da maneira que sei fazer melhor, sem agredir ninguém”, ressalta.

SandraNo ano de 2013, Sandra lançou o desafio de fazer um poema por dia totalizando 365 naquele ano. “As palavras me perseguem. Já teve época de sentar e fazer poesia de madrugada, pois trabalho muito e amo o que faço. Essa coisa da poesia para mim é meu anjo, por que através dela eu consigo me defender.” Através dessa paixão, o grupo “Canto das Cigarras” foi criado há mais de 20 anos por Laurita Santos Moreira, a cigarra mãe. Neste grupo, Sandra se junta a outras integrantes como poetas e jornalistas sempre uma vez por mês para compartilhar ideias, expressar sentimentos, trocar experiências, e claro fazer poesia.

A terapeuta também sempre foi engajada em movimentos sociais, culturais e artísticos na cidade há mais de 40 anos – como a AMDA (Associação Macaense de Defesa Ambiental), o Galpão das Artes; foi também uma das fundadoras da Sociedade Pestalozzi e o Sentrinho. Sandra faz partedas ONG’s em defesa da Praia do Pecado, Lagoa de Imboassica e da Restinga do Barreto.

SandraEu sigo minha intuição. É um estado de espírito. Eu vivo uma liberdade pessoal que muita gente não entende. As pessoas me olham e pensam mil coisas. Eu não gosto de seguir padrões. Eu faço os meus padrões. Enquanto muitos têm e trabalham numa em(presa), e vivo minha em(livre)!”, revelou.

Graduada em fonoaudiologia pela Universidade Federal Fluminense, Sandra ainda fez pós-graduação, se especializando em psicomotricidade. Atualmente ela cumpre formação em psicoterapia. Seu trabalho com crianças e jovens veio desde muito cedo. “Assim que fui alfabetizada eu recebi o desafio de ensinar uma turma de 10 crianças a ler e escrever, e eu consegui! Acho que foi a partir daí que me veio esse dom de trabalhar com elas.”, comemorou.

Em 1996, Sandra idealizou um espaço especialmente para despertar o sentimento da consciência planetária nas crianças. O “Irmane-C” surgiu em homenagem a sua filha Ane Conceição que nasceu com necessidades especiais e morreu quatro anos depois. O local trabalha com crianças que tem autismos e outros problemas cognitivos. Sandra nos conta que a presença deAne é intensa em todos os trabalhosdesenvolvidos pelo espaço e que a menina foi o grande incentivo e ensinamento no que diz respeito à consciência humanística, principalmente.

Sandra e famíliaEla explica ainda que a consciência planetária é trabalhada nas crianças como forma de tratamento para que elas já comecem a ter a noção de que é possível vivemos num planeta e que ele precisa ser cuidado. “Esse conceito é recente, começou há 20 anos, mas eu já o introduzir nas crianças há uns 40 anos.” Desde e a existência do “Irmane-C”, Sandra cria exposições, debates, cursos, saraus, performances, tanto em seu espaço físico quanto em outros pontos da cidade, sempre com o objetivo de ampliar o conhecimento sobre a educação para a paz e a não violência, além do pensamento holístico.

A ativista é motivo de honradez para seus amigos mais próximos. Uma dessas pessoas é o jornalista Gerson Dudus. Amizade cultivada por 20 anos, Gerson se emociona em falar de Sandra Wyatt.

Sandra)Ela é uma mulher fantástica. Eu lembro que tudo começou em um evento de poesia que aconteceu no Teatro do Sesi, logo que cheguei a Macaé. Foi instantânea a fascinação que tive por ela! Dali por diante a gente começou a ficar mais próximo e começamos a trabalhar juntos em saraus, movimentos ligados a cultura, meio ambiente, etc.  A amizade foi se intensificando. Sandra é muito importante pra mim  por que ela mudou meu olhar com relação a vida. Ela é a primeira pessoa que me revelou a verdade de que tudo em nossa vida está em abundância. Não existe escassez.  Estamos muito preocupado em ter muitas coisas e sermos incompletos ao mesmo tempo. Se todos tivessem essa consciência, o mundo seria efetivamente menos desigual, mais solidário e mais humano. Pra mim, todo mundo deveria conhecer Sandra Waytt, passar meia horinha de conversa com ela, que seja.”, conclui Gerson.

 

Texto Alysson Nogueira

Edição nº 43/ Outubro 2017

Revista Digital
 

Comentar

Seu comentário será liberado pelo administrador. Informe-se sobre as regras de moderação de comentários no Termo de uso.
CAPTCHA
Resolva a soma abaixo por questões de segurança
4 + 4 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.